AgnoCafe - O Site do Cafeicultor
Assunto: Categoria de noticia: Data:
Imprimir notícia

Micotoxinas: vilã dos grãos que pode afetar a saúde humana e animal


Você já ouviu falar de micotoxina? Elas são substâncias produzidas por fungos e causam efeitos tóxicos em animais e humanos. A história traz diversos relatos sobre a contaminação de alimentos por fungos, porém somente em 1960, com a morte de 100 mil perus na Inglaterra - devido à presença de um fungo na farinha de amendoim consumida pelas aves- é que, de fato, a ciência se abriu para descobrir os perigos desses fungos, e compreender como identificá-los e combatê-los.

O professor Flávio Medeiros, do Departamento de Fitopatologia (DFP /UFLA), especialista em controle biológico de doenças de plantas explica que os fungos podem contaminar grãos de milho, arroz, aveia, trigo, sorgo, centeio, dentre outros, causando diversos prejuízos. “O prejuízo na lavoura está relacionado à redução do valor nutricional dos grãos e aos efeitos tóxicos, que alteram a qualidade dos grãos e gera prejuízo para a indústria”, comenta.

As micotoxinas também causam riscos à saúde humana, conforme relata o professor Luís Roberto Batista do Departamento de Ciência dos Alimentos (DCA) da UFLA: “Elas são resistentes ao tratamento térmico que normalmente os alimentos sofrem, como a torração e a pasteurização. Para o consumidor, quando ingeridas, essas micotoxinas podem acarretar graves problemas à saúde, principalmente nos rins e no fígado”.

A contaminação em humanos ocorre de forma direta (o homem come o grão contaminado) ou em cadeia alimentar, como o milho é o principal componente da dieta animal, participando com mais de 60% do volume utilizado na alimentação animal de bovinos, aves e suínos, os fungos passam do cereal para os animais e dos animais para os humanos, através da carne ou leite.

Atualmente são conhecidas mais de 400 micotoxinas. “As principais que afetam os grãos de milho e sorgo são as aflatoxinas, as fumonisinas, os tricotecenos (que são o maior grupo de micotoxinas conhecidos) e a zearalenona”, diz Flávio. No Brasil, a agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) regulamenta os limites máximos tolerados (LMT) para micotoxinas em alimentos, o especialista esclarece que no campo os produtores podem empregar uma série de medidas para mitigar a contaminação por esses fungos na pós-colheita, e na indústria há tratamentos que podem ser realizados.

No laboratório de Micotoxinas e Micologia de Alimentos, o professor Luís tem pesquisado cinco diferentes tipos de micotoxinas e a sua contaminação em alimentos: a ocratoxina A (OTA) - a mais tóxica e a mais relevante entre as ocratoxinas - e as aflatoxinas B1 e B2, G1 e G2. “Pesquisamos os fungos que são produtores de micotoxinas, a partir do momento que eles são identificados, nós sugerimos soluções para que não possam se desenvolver nos alimentos. Além disso, avaliamos quais são os alimentos mais suscetíveis a essas micotoxinas”. Para as algumas culturas, uma das soluções é a utilização de fungos que não produzem micotoxina no mesmo ambiente. “Há fungos que não produzem micotoxinas e que estão na natureza, assim criamos uma competição entre eles em determinada cultura”.

Os estudos com fungos produtores de micotoxinas contribuiu para a criação de Coleções de Cultura de Microrganismos na UFLA, sendo duas destas coleções credenciadas junto ao Ministério de Meio Ambiente (MMA) como Fiel Depositária. Os fungos são preservados em diferentes temperaturas e servem como base para as diversas pesquisas.

Os professores são unânimes ao dizerem que a presença das micotoxinas está relacionada com a qualidade do alimento “O fungo para produzir a toxina precisa se desenvolver no produto, e esse desenvolvimento acaba alterando a qualidade do alimento, por isso, as micotoxinas sempre estarão relacionadas com produtos de baixa qualidade,” diz Luís. “Um bom manejo dos grãos é uma das formas de se evitar a presença de fungos na lavoura,” completa Flávio. A relevância dos estudos sobre as micotoxinas será discutida no workshop que abre o XXXII Congresso Nacional de Milho e Sorgo que será realizado de 10 a 14 de setembro na UFLA e integra as comemorações dos 110 anos da Universidade.

Comentarios

Inserir Comentário
Contrato Cotação Variação
Dezembro 109,30 - 0,85
Março 112,75 - 1,25
Maio 115,60 - 1,30
Contrato Cotação Variação
Janeiro 1.656 + 2
Março 1.666 + 2
Maio 1.678 - 3
Contrato Cotação Variação
Dezembro 126,50 - 2,60
Março 131,25 - 2,10
Setembro 141,45 0
Contrato Cotação Variação
Dólar 3,8313 + 1,99
Euro 4,3133 + 1,80
Ptax 3,8078 + 1,36
  • Varginha
    Descrição Valor
    Novíssimo 15% R$ 456,00
    Duro/riado R$ 438,00
    Peneira 14/16 R$ 480,00
    Futuro 2020 R$ 540,00
  • Três Pontas
    Descrição Valor
    Novíssimo 15% R$ 456,00
    Novíssimo 20% R$ 452,00
    Duro/riado/rio R$ 422,00
    Moka R$ 465,00
  • Franca
    Descrição Valor
    Novíssimo 15% R$ 456,00
    Novíssimo 25% R$ 446,00
    Futuro 2019 R$ 490,00
    Futuro 2020 R$ 540,00
  • Patrocínio
    Descrição Valor
    Novíssimo 15% R$ 456,00
    Novíssimo 25% R$ 446,00
    Futuro 2019 R$ 490,00
    Futuro 2020 R$ 540,00
  • Garça
    Descrição Valor
    Novíssimo 20% R$ 435,00
    Futuro 2019 R$ 490,00
    Novíssimo 30% R$ 420,00
    Novíssimo 15% R$ 440,00
  • Vitória
    Descrição Valor
    Conilon T. 6 R$ 338,00
    Conilon T. 7 R$ 334,00
    Conilon T. 7/8 R$ 328,00
  • Guaxupé
    Descrição Valor
    Futuro 2019 R$ 490,00
    Novíssimo 15% R$ 455,00
    Novíssimo 20% R$ 450,00
    Duro/riado R$ 435,00
  • Preços OIC
    Descrição Valor
    Compostos OIC R$ 108,63
    Colombianos R$ 137,48
    Outros Suaves R$ 134,97
    Brasileiros R$ 111,61
    Robustos R$ 83,67
  • Indicadores
    Descrição Valor
    Cepe Arábica R$ 435,84
    Cepea Conilon R$ 334,39
    Agnocafé R$ 456,00
Nedstat Basic - Free web site statistics